Vendée Globe tem mais um incidente e Vincent Riou é forçado a desistir

PRB_aerial_469.jpg

Depois da desistência de Bertrand de Boc no último final de semana, nesta terça-feira foi a vez de Vincent Riou abandonar a Vendée Globe. A bordo do PRB, o velejador francês se chocou com um Objeto Flutuante Não Identificado no último domingo e, com problemas na quilha, acabou desistindo da competição após 16 dias no mar.

“É um grande desapontamento. Mas, como sempre, a vida continua e para mim significa levar o meu barco a salvo para algum lugar. No domingo à noite alguma coisa se chocou com o bulbo. A quilha imediatamente começou a vibrar e depois a se mover para os lados. Isso logo parou. Não foi imediatamente já que o barco velejava a 25 nós quando isto aconteceu. É normal coisas baterem na quilha nestas regatas oceânicas e o choque nem foi tão grande.

Mais tarde naquela noite comecei a ouvir barulho de rachaduras na quilha. Aquele tipo de barulho que já ouvido antes do carbono raspando entre a quilha e o casco. Pensei ser alguma fricção, mas nada sério. Gradualmente o barulho foi aumentando. Comecei a me questionar e pensar no que poderia acontecer. Resolvi falar com o pessoal de terra.

Não estávamos muito preocupados, mas também não estávamos relaxados já que este não é um lugar fácil de se alcançar a bordo. Sem remover a quilha, não dá para ver o que aconteceu. Então, decidi que ia continuar. Poderia ter sido um pequeno jogo na quilha e o carbono continuaria raspando no casco, o que significa que o barulho ia embora. Ou era algo mais sério que teria causado mais estrago e o barulho iria aumentar. Continuei velejando por mais 24 horas. O barulho continuou a aumentar até que comecei a ouvir sons metálicos além do som do carbono. Percebi que os rolamentos estavam danificados e que isto estava começando a afetar o compartimento em volta deles.

Contatei as pessoas que trabalharam no barco. Eles tentaram descobrir o que poderia ter acontecido e chegaram à mesma conclusão: a curto prazo, não há problema, pois são peças grandes, porém o atrito do metal com o metal poderia levar a um problema ainda maior e fica complicado pensar em velejar ao redor do globo com um problema destes.

Hoje pela manhã o vento diminuiu e pude abrir a caixa da quilha e senti que ela estava se movendo. Em volta dos rolamentos da frente o buraco estava maior do que o eixo da quilha. Isto só confirmou o meu medo de que os rolamentos haviam sido danificados.

Não sei o que pensar. Tive este mesmo problema quase que no mesmo lugar há quatro anos atrás. Quando passei por Salvador há alguns dias, fiquei pensando nisto e disse para mim mesmo que deveria me livrar deste pensamento.

Agora o mais fácil é seguir para a Cidade do Cabo. Estou constantemente checando para ver se eles têm tudo o que eu preciso lá. Estamos organizando as coisas com o time. Fico pensando naqueles que estão comigo desde o começo e estou desapontado com o que aconteceu, mas especialmente por eles”, disse Riou.

Também com problemas abordo após se chocar com um OFNI, Alex Thompson segue na liderança da competição, com noventa milhas de vantagem sobre Seb Jossé, segundo colocado. Para ver as posições atuais, clique em: http://bit.ly/vendeetracking

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s