Após derrota na AC, Xabi Fernandéz retorna à Volvo Ocean Race

35421834775_efbd36a83e_o.jpg

O espanhol Xabi Fernández está de volta aos trabalhos na equipe MAPFRE para a Volvo Ocean Race após fazer parte do desafiante britânico da America’s Cup, o Land Rover BAR. O comandante do barco estava nas Bermudas, desde o início do ano, envolvido com a campanha de Sir Ben Ainslie. Agora, o campeão olímpico está novamente dedicado à equipe espanhola na Volta ao Mundo, que começa em 22 de outubro. A base do MAPFRE fica na cidade de Sanxenxo, na Galícia (Espanha).  Continuar lendo “Após derrota na AC, Xabi Fernandéz retorna à Volvo Ocean Race”

Volvo Ocean Race passa a ser disputada de dois em dois anos

m45022_20141119volvooceanrace-ws-gb-449-edit.jpg

As próximas edições da Volta ao Mundo já estão com datas marcadas: 2019-20, 2021-22 e 2023-24.  A organização anunciou a mudança na periodicidade da competição, que passa a ser de dois em dois anos e não três em três como era até hoje. Esta mudança terá um impacto positivo no valor comercial do evento, bem como nas equipes profissionais de vela e nas cidades-sede. Nas últimas edições, Portugal e o Brasil fizeram parte do maior evento de vela oceânica do planeta. 

“Um ciclo mais curto significa que podemos encurtar cada edição por alguns meses. O atual formato é de até nove meses. No entanto, vamos chegar a  mais mercados agora”, disse Mark Turner, CEO da Volvo Ocean Race. “Ao mesmo tempo, fortaleceremos o ADN da regata, que está sempre em todo o mundo e em todos os oceanos, principalmente na Antártida que é seu coração”. Continuar lendo “Volvo Ocean Race passa a ser disputada de dois em dois anos”

Dee Caffari será comandante do Turn The Tide On Plastic, sexto confirmado na VOR

m45053_sca-141206-halloran-dsc02384-20141207-023742.jpg

A Volvo Ocean Race anunciou nesta terça-feira que a britânica Dee Caffari será a comandante do sexto barco inscrito na edição 2017-18 da competição. Caffari é veterana da VOR (competiu na última edição a bordo do Team SCA, tripulação 100% feminina) e de regatas de volta ao mundo (foi a primeira mulher a dar a volta ao mundo de oeste para leste sem paradas e sem assistência, em 2006, e a primeira mulher a completar a Vendée Globe em 2009, se tornando a primeira mulher a dar a volta ao mundo em solitário e sem paradas nas duas direções) e estará no comando do Turn The Tide On Plastic, que contará com o apoio da Mirpuri Foundation e da Ocean Family Foundation, entidades que buscam a saúde dos oceanos.

A ideia de Caffari é que o time seja metade feminino e metade masculino, com velejadores na casa dos 30 anos. Como a Mirpuri Foundation é portuguesa, dois dos velejadores serão de Portugal.

O Turn The Tide On Plastic se junta aos já confirmados AkzoNobel (Simeon Tienpont, Holanda), Dongfeng Race Team (Charles Caudrelier, França), MAPFRE (Xabi Fernández, Espanha), Vestas 11th Hour Racing (Charlie Enright, EUA) e Team Sun Hung Kai/Scallywag (David Witt, Austrália) na regatta que largará em outubro.

 

Volvo Ocean Race anuncia mudanças importantes para próximas edições

m44881_13-00-170515-render-new-b-gradient.jpg

A Volvo Ocean Race anunciou, nesta quinta-feira (18), em Gotemburgo, na Suécia, uma série de iniciativas inovadoras para as próximas edições da regata, incluindo novos barcos para a competição de volta ao mundo. A partir da próxima década, os veleiros usados nas travessias pelos mares do planeta serão de 60 pés (18,29 metros) com foile. Já nas regatas costeiras, as equipes vão usar os desafiadores catamarãs voadores 32-50 pés (10-15 metros), que são leves, rápidos e têm dois cascos. Os modelos para o desfio mais duro e difícil do esporte serão desenvolvidos pelo projetista francês Guillaume Verdier.

“Tivemos muitos debates sobre usar um multicasco ou monocasco e, de fato, a solução final para nós é fazer as duas coisas. Então haverá três cascos nas futuras edições!”, disse CEO da Volvo Ocean Race, Mark Turner. “A Volvo Ocean Race sempre foi desafiadora ao extremo e com essas mudanças – talvez as mais radicais desde que a regata começou em 1973 – estamos levando a competição a outro patamar. A obsessão que levou a gerações de velejadores a buscar a vitória continua, mas para levantar o troféu, o candidato será mais exigido em dedicação, habilidade e sacrifício”. Continuar lendo “Volvo Ocean Race anuncia mudanças importantes para próximas edições”

Equipe de Hong Kong é a quinta confirmada na Volvo Ocean Race

m44861_lrsydgc2016-0075.jpg

A organização da Volvo Ocean Race confirmou nesta quarta-feira a quinta equipe que participará da edição 2017-18 da competição. O Team Sun Hung Kai / Scallywag será o representante de Hong Kong e terá como skipper o velejador australiano David Witt, que volta ao evento após competir na edição 1997-98ª bordo do Innovation Kvaerner.

A campanha será coordenada por Seng Huang Lee e pela Sun Hung Kai & Co. O objetivo de Lee é promover a vela de competição na Ásia e deixar um legado para Hong Kong, que receberá uma das paradas da regata. “Esta campanha vai levar a vela offshore competitiva para hong Kong e China pela primeira vez com as paradas em Hong Kong e Guangzhou. Tenho certeza que o time Sun Hung Kai/Scallywag vai dar muito orgulho para Hong Kong”, disse Lee.

Seng Huang Lee cresceu na Austrália e, inspirado pela tradicional regata Sydney Hobart começou a velejar. Ele acabou comprando o antigo Ragamuffin, um maxi de 100 pés, em 2016 e estabeleceu diversos recordes.

O Team Sun Hung Kai/Scallywag se junta ao AkzoNobel (do skipper Simeon Tienpont, HOL), Dongfeng Race Team (de Charles Caudrelier, FRA), MAPFRE (Xabi Fernández, ESP) e Vestas 11th Hour Racing (Charlie Enright, USA).

 

 

 

 

Dongfeng anuncia tripulação para a Volvo Ocean Race

m101186_crop169014_1024x576_proportional_1494953185594D.jpg

Os chineses do Dongfeng anunciaram nesta terça-feira a equipe que participará da Volvo Ocean Race ao lado do skipper Charles Caudrelier. O time contará com duas mulheres (Marie Riou, francesa quatro vezes campeã mundial de Nacra, e Carolijn Brouwer, holandesa, com duas participações na VOR em equipes femininas), três jovens chineses (Yang Jiru (Wolf), Xue Liu (Black) e Jinhao Chen (Horace), além dos veteranos em VOR e regatas offshore Pascal Bidegorry, francês, vencedor da Transat Jacques Vabre e da Solitaire du Figaro, que será o navegador, Kevin Escoffier, também da França, Stu Bannatyne, que participará de sua 8ª VOR e Daryl Wislang, vencedor da última VOR a bordo do Abu Dhabi, ambos da Nova Zelândia, e Jack Bouttell, meio australiano meio britânico, veterano da La Solitaire du Figaro.

 

Joca Signorini é o primeiro brasileiro confirmado na Volvo Ocean Race 2017-18

m44834_17-007477--teamakzonobel-hd.jpg

Faltando pouco mais de cinco meses para o início da Volvo Ocean Race 2017-18 no dia 22 de outubro, as equipes começam a apresentar seus velejadores. Nesta segunda-feira foi a vez do Akzo Nobel, comandado por Simeon Tienpot confirmar os nomes dos outros atletas que estarão com ele na volta ao mundo. E tem brasileiro na lista. Joca Signorini participará da sua quarta VOR (Brasil 1 na edição 2005-06, Ercisson, vencedor da edição 2008-09, Telefónica 2011-12 e como apoio da equipe feminina Team SCA na última edição).

Também estarão no time: Chuny Bermudez (ESP, ex-Brasil1), Brad Jackson (NZL), Jules Salter (GBR), Annemieke Bes (NED), Luke Molloy (AUS), Nicolai Sehested (DEN) e Brad Farrand (NZL).

Além do Akzo Nobel, outros quatro times já confirmaram a sua participação na regata, que passará por 12 cidades em oito meses. São eles: Mapfre, Dongfeng Race Team e Vestas 11th Hour Racing.

Vestas começa a treinar para a Volvo Ocean Race

2017-04-21_12-53-20

Eles até podem ter sido o último time a confirmar a participação mas os velejadores do Vestas 11th Hour Racing já estão treinando para a Volvo Ocean Race, que larga em outubro de Alicante, na Espanha.

O barco recém reformado partiu de Lisboa, Portugal, rumo a Newport, nos Estados Unidos, sob o comando dos americanos Charlie Enright e Mark Towill. “Trabalhamos muito para esta travessia do Atlântico, então estou muito contente em finalmente poder partir”, disse Enright.

 

Mapfre volta a velejar na Espanha após mastro quebrado

unnamed (36).jpg

Duas semanas atrás, o MAPFRE  teve um problema durante treinamento na região espanhola da Galícia, que acabou danificando seu mastro, uma das peças principais de um barco. Neste sábado (15), 16 dias depois do ocorrido, o veleiro já está de volta à água. Os trabalhos de reparo foram realizados no estaleiro naval da Volvo Ocean Race, em Lisboa, Portugal. O VO65 MAPFRE já está pronto para todas as condições climáticas.

“O mastro é novo e, depois de sete dias de montagem, está pronto e aparentando estar bom” – afirmou Antonio “Talpi” Piris, chefe da equipe de terra do MAPFRE. A peça foi encomendada da Nova Zelândia. Em Lisboa, além da montagem do novo mastro, os trabalhos de reparo foram feitos no casco, quilha e lemes. Essas partes importantes de um veleiro foram prejudicas pela quebra do mastro. “O barco foi levado à Lisboa para reparar partes afetadas também, como bulbo e lemes. Revisamos o fundo do veleiro e até refizemos parte da pintura. A colaboração entre a nossa equipe de terra e do estaleiro da Volvo Ocean Race foi importante, deu bons frutos”.

Lembrando que o problema ocorreu na ilha de Ons (Pontevedra) com 25 nós (46,3 km/h) de vento e ondas de 4 metros de altura. O mastro foi o mesmo usado na edição 2014-15 da Volvo Ocean Race e o dano foi constatado na parte inferior da primeira cruzeta. Ninguém sofreu danos no incidente. A equipe agiu rápido e logo levou a embarcação para o estaleiro oficial da regata.

A tripulação fez oito horas de treino neste sábado para testar o barco e ver se tudo estava funcionando perfeitamente. “Hoje navegamos pela primeira vez e usamos as velas. O trabalho das equipes foi impecável, incrível e muito rápido”, disse o velejador Pablo Arrarte. “Tivemos sorte pelo ocorrido, pois foi agora e não atrapalhou muito o calendário, além de estar perto. Perdemos três dias de testes offshore. Isso se recupera na segunda fase de treinamento e tenho certeza de que estaremos 100% para a regata”.

Os próximos passos do MAPFRE incluem os treinos mais longos a partir do dia 18 com parte da tripulação e a seleção dos outros velejadores que farão parte do time.