Check list no navegador: você conferiu seu barco antes de partir para o mar?

check-list

Com o feriado prolongado batendo à porta, muita gente vai aproveitar para viajar de barco, mas você tem certeza que está tudo certo com ele? O velejador Marco del Porto elaborou um cheque list bem completo das coisas que deve-se atentar antes de zarpar e, de quebra, ainda deu algumas dicas importantes. Inicialmente o material foi elaborado para quem faz delivery, mas se encaixa perfeitamente para aquele passeio mais longo no final de semana ou feriado.

Confira a lista completa e as dicas clicando aqui.

Brasil encerra Centro Sulamericano de Radial no top 10

16819450_903190606485004_665129759371761987_o

Terminou nesta terça-feira em Mar del Plata, na Argentina, o Centro Sul-americano da classe laser Radial. O gaúcho Antonio Rosa, o Totó, foi o melhor brasileiro na competição, terminando na nona colocação. O título ficou com o argentino Juan Videla.

Além de Totó, participaram do evento Marcelo Bertoncello (14), Gabriella Kidd (17), Andrey Godoy (37) e Yan Zaffari (63).

A partir desta quinta-feira serão disputados os eventos para as classes Standard e 4.7.

Confira o resultado completo aqui.

 

Classe HPE inova e dará barco novo para campeão do Ranking Gil Souza Ramos

196514_359147647501497_1607063072_n.jpg

Desde sua fundação, em 2003, a classe HPE25 tem contado com o apoio de grandes nomes da vela brasileira, como Martine Grael, Kahena Kunze, Robert Scheidt, Bruno Prada, André ‘Bochecha’ Fonseca, Clínio de Freitas, Cacau Swan, Isabel Swan, Carlos Henrique Wanderley, além, é claro, de Eduardo Souza Ramos criador e grande incentivador da classe.

E não é por menos, já que estamos falando de um barco one design, com preço acessível e com flotilhas altamente competitivas. O sucesso é tanto que estas flotilhas saíram do eixo Rio – São Paulo e já estão presentes também na Bahia, em Vitória e em Santa Catarina. Ao todo 55 barcos já foram fabricados. E em 2017 a classe terá uma novidade, nunca antes vista no país: o campeão do recém-criado Ranking Gil Souza Ramos levará para casa um barco novinho construído pelo estaleiro Riostar.

A ideia de criação do ranking veio de Eduardo Souza Ramos visando um crescimento ainda maior da classe. Em 2016, o Campeonato Brasileiro, disputado no Rio de Janeiro, contou com a presença de 25 barcos e teve como campeã a equipe comandada por Victinho Demaison.

Por ser um barco pequeno, de apenas 25 pés, seu transporte é fácil, podendo ser feito de carreta rodoviária ou de caminhão. A tripulação conta com quatro a cinco velejadores, que se dividem em timoneiro, trimmer de buja, de grande e de balão, e proa. A configuração da tripulação pode ser 100% masculina, 100% feminina ou mista.

Confira o regulamento do ranking, convoque seu time e prepare-se, pois as regatas já vão começar!

 

 

 

Regata Ilha da Caras Revista Náutica será disputada no próximo dia 11

No próximo dia 11 a Revista Náutica, em parceria com a Revista Caras, vai promover a tradicional Regata Ilha da Caras Revista Náutica. O evento é aberto a todas as embarcações das classes ORC, IRC, BRA RGS, APS, FEMININO, MULTICASCO e CRUZEIRO. As inscrições custam R$ 140,00 por tripulante e pode ser feitas em http://www.nautica.com.br/ilhadecarasnautica. Após a regata haverá a tradicional feijoada. Pata mais informações, veja o AR completo.

 

 

Conversamos com Renato Cunha, capitão do Ventaneiro, vencedor da Buenos Aires – Rio

16830677_1426871537324490_3812788867002182949_n

No último final de semana o Ventaneiro, de Renato Cunha, levou mais uma vez a bandeira brasileira para o alto do pódio em uma regata oceânica internacional. Desta vez o título veio na Buenos Aires – Rio, exatamente 30 anos depois que Renato estabeleceu um novo recorde para o trajeto de 1200 milhas a bordo do Cisne Branco, da Marinha Brasileira. Desta vez foram necessários 7 dias, 14 horas, 46 minutos e 22 segundos até a Cidade Maravilhosa. Estavam a bordo: Ricardo Ermel, André Nahoum, Felipe Diniz, Breno Osthoff, Alfredo Rovere e Sergio Goretkin Filho.

Fazer a regata foi fácil e o mais interessante desta história toda é que o time não estava preparado para tal. Não que não sejam excelentes velejadores, mas sim, por que a decisão de participar da regata foi completamente no susto.

“Decidimos disputar a Buenos Aires – Rio depois de uma das regatas do Circuito Atlántico Sur, em Punta del Este, uns dias antes. Já que teríamos que levar o barco de volta para o Rio, então por que não ir até Buenos Aires e de lá disputar uma regata até em casa? Na hora cinco tripulantes toparam, convidei mais dois e só conseguimos realmente deixar tudo em ordem umas 20 horas depois da largada da regata”, conta Renato, que antes de partir para o Rio ainda teve que arrumar um problema na quilha do barco. “Para se ter ideia, foi tudo tão corrido que fizemos as compras dos mantimentos na manhã da largada”, completou.

Lógico que nenhuma regata é tão divertida sem alguns percalços, que acabam virando histórias para serem contadas no clube por muitos anos. Logo após a largada o time precisou descer a vela grande para fazer um reparo e mexer na tala. Algumas horas mais tarde, a parte hidráulica do backstay também apresentou problema, que abou sendo resolvido posteriormente. Com a regata já em curso, as coisas foram se ajeitando e a preocupação foi apenas em fazer com que o barco velejasse o mais rápido possível em cada condição.

A previsão do tempo foi perfeita para eles, com vento forte vindo de proa na maioria do percurso, condições ideais para o barco.

“Só teríamos chance de vencer a regata com vento forte de contra-vento, que é a situação que o barco rende. No sul do Brasil pegamos umas horas de calmaria e na chegada, ficamos parados perto do Forte de Imbuí umas três horas até a linha da chegada perto da ilha da Laje. Foi um momento muito duro, após 1350 milhas você ver a linha de chegada e não conseguir cruzar. Tivemos que esperar a maré virar e aproveitamos quando ela começou a encher para cruzar a linha. O Mercenário ainda nos passou nesta, mas o nosso resultado foi excelente e serviu para coroar todo o esforço da tripulação”, disse o comandante.

Projeto Grael abre inscrições para turmas de iniciação esportiva

Estão abertas, até o dia 24 de fevereiro, as inscrições para as turmas do primeiro semestre de iniciação esportiva do Projeto Grael. Os alunos terão aulas de vela, natação e canoa havaiana. Além disso, também haverá oficinas de fibra de vidro, eletrônica, carpintaria, mecânica diesel/popa e capotaria, voltados para colocação profissional no mercado náutico. Ao todo serão 360 vagas, distribuídas em 30 turmas.

As inscrições são gratuitas e acontecem na sede do projeto (Avenida Carlos Ermelindo Marins 494 – Jurujuba), em Niterói, de segunda a sexta, das 8h às 12h e das 13h às 17h. Para fazer a inscrição, os jovens e adultos, de 16 a 29 anos, devem comprovar matrícula ou conclusão em curso da rede pública de ensino. As aulas começarão em março.

O Projeto Grael foi criado há 18 anos pelos irmãos e campeões de vela Lars e Torben Grael e contam hoje com o patrocínio de grandes empresas. Desde a sua fundação, mais de 17 mil jovens passaram pelos cursos de formação. Segundo os dados do instituto, 27% dos alunos conseguiram uma colocação no mercado de trabalho logo após o projeto. Mais informações no site www.projetograel.org.br.

Ventaneiro é campeão da regata Buenos Aires – Rio 2017

16831066_1403994776308501_5875756463653447959_n

Sete dias, 14 horas 46 minutos e 22 segundos. Foi com este tempo que o Ventaneiro, de Renato Cunha, conquistou o título da regata Buenos Aires – Rio 2017. A equipe velejou a bordo do Dufour 500, e contou, além de Renato, com o reforço de Ricardo Ermel, André Nahoum, Felipe Diniz, Breno Osthoff, Alfredo Rovere e Sergio Goretkin Filho.

O fita-azul da competição foi o Fortuna III, que completou o percurso de 1200 milhas em 7 dias, 13 horas, 14 minutos e 45 segundos. O outro representante brasileiro, oCamiranga, um Soto 65 de Eduardo Plass, teve problemas pouco depois da largada e acabou desistindo da competição.

Para ver os resultados completos, clique aqui.

Salvador recebe a Transat Jacques Vabre após 10 anos

305297_679693_carte_parcours_tjv_2017_web_

Dez anos desde a última edição na Bahia, a Transat Jacques Vabre, maior regata transatlântica da mundo, terá Salvador como chegada na edição de 2017. A cidade brasileira disputava a candidatura para sediar o evento, que ocorre em novembro, com a colombiana Cartagena. O anúncio oficial foi feito na última terça-feira (14), na França.

A cidade recebeu a competição de 2001 a 2007 (a cada dois anos) e, ao lado de Itajaí (SC), são as únicas duas cidades brasileiras a serem porto de chegada da travessia. A largada oficial para a 13ª edição será dada no dia 5 de novembro, em Le Havre, e a previsão é de que os primeiros veleiros cheguem a Salvador no fim do mesmo mês. O trajeto terá ao todo 4.350 milhas náuticas – 8.056 quilômetros até a chegada na Baía de Todos os Santos.

“Esse percurso transatlântico que liga o Norte ao Sul [França e o Brasil] é mais exigente que uma simples travessia de Leste a Oeste. Requer dos velejadores qualidade técnica, planejamento estratégico, um bom conhecimento meteorológico e uma excelente condição física para completar o percurso”, explica Sylvie Viant, diretora de prova da Transat Jacques Vabre. Na última edição, 42 barcos participaram da disputa.

No ano em que a cidade de Salvador festeja seus 468 anos e a cidade de Le Havre completa meio milênio, a escolha da capital baiana marca também uma parceria entre as duas cidades, ambas consideradas patrimônio da humanidade pela Unesco. “A edição de 2017 marca o retorno a um local histórico e emblemático para nós, que já recebeu várias vezes o evento”, afirma Xavier Mitjavila, presidente da JDE France e da Associação Transat Jacques Vabre. Continuar lendo “Salvador recebe a Transat Jacques Vabre após 10 anos”

MAPFRE anuncia Xabi Fernandez como skipper do time na próxima Volvo

32122929373_4008fbafcc_o.jpg

O velejador Xabi Fernández será o líder do MAPFRE na Volvo Ocean Race 2017-18, função que já desempenhou – em paralelo com Iker Martínez – na edição anterior. O atleta é um dos maiores nomes da vela oceânica espanhola. É dono de duas medalhas olímpicas (ouro em Atenas 2004 e prata em Pequim 2008) na classe 49er. Na mesma categoria também ganhou três títulos mundiais!

Na Volvo Ocean Race, o velejador do País Basco tem quatro campanhas no currículo (2005-06 no Movistar / Telefónica Blue no 2008-09 / Telefónica no 2011-12 e 2014-15 no MAPFRE).

“A Volvo Ocean Race tem sido um grande desafio ao alcance de poucas equipes devido à sua enorme dificuldade. Mistura ação, técnica, logística e outros desafios”, disse o comandante da nova campanha da MAPFRE.  Continuar lendo “MAPFRE anuncia Xabi Fernandez como skipper do time na próxima Volvo”

Copa Suzuki começa em Ilhabela no próximo dia 11 de março

15220125_1261065063916826_267020417920415850_n

Nos dias 11, 12, 18 e 19 de março começa em Ilhabela a já tradicional Copa Suzuki. Estão convidadas as classes ORC, IRC, C30, HPE-25, BRA-RGS e BICO de PROA. As inscrições podem ser feitas na secretaria do evento e custam R$ 100,00 por tripulante.

Este ano a organização optou em fazer algumas mudanças, como a opção de uma ou duas regatas de percurso para as classes IRC, RGS e Bico de Proa, e a colocação de um gate no meio da raia para as classes C30 e HPE25.

Para ver o AR completo, clique aqui.