28ª REFENO larga neste sábado do Marco Zero de Recife

IMG_2526.JPG
O Marco Zero do Recife vai receber, neste sábado (24), a partir do meio dia, a partida da 28ª edição da Regata Internacional Recife/Fernando de Noronha. Cinquenta e duas embarcações do Brasil e do mundo disputarão uma das mais tradicionais regatas oceânicas da América do Sul. Este ano, a grande novidade será a presença do veleiro Cisne Branco, da Marinha do Brasil e da embarcação Parati II, do renomado velejador Amyr Klink.
Veleiros de 11 estados do Brasil, além de três países – Argentina (2), França (1) e EUA (1) – disputarão a edição 2016 da regata. São Paulo é o estado com mais participantes na Refeno 2016, 13 barcos inscritos. Pernambuco e Rio de Janeiro vem logo atrás com 10 cada. Completam a lista Bahia (seis), Santa Catarina (três), Rio Grande do Sul (1), Distrito Federal (1), Ceará (1), Sergipe (1), Alagoas (1) e Paraíba (1). A Refeno é promovida pelo Cabanga Iate Clube de Pernambuco.
Este ano, a competição reunirá 389 tripulantes divididos em nove classes – multicascos (Catamarã e Mocra) e monocasco (RGS A, RGS B, ORC, Aberta, Bico-de-Proa, Aço e Turismo). O percurso entre o Recife e o Arquipélago de Fernando de Noronha será de 292 milhas náuticas, o equivalente a 545 quilômetros entre céu e mar.
“Estamos pronto para mais uma edição da Refeno. O clima aqui no Cabanga é de alegria. Preparamos uma festa muito especial para todos os participantes aqui no Recife e em Fernando de Noronha. A Refeno se tornou uma verdadeira confraternização da vela”, resumiu o comodoro do Cabanga, Jaime Monteiro Jr.
A embarcação Camiranga, do Rio Grande do Sul, atualbicampeã da Refeno, confirmou presença na edição 2016 e é a grande favorita ao troféu Fita Azul. Em 2014, o veleiro percorreu em 22h40min43. Em 2015, melhorou o tempo concluindo a travessia em 20h26min37. O Camiranga é um barco modelo Soto 65, tem 20,55 metros de comprimento e disputará o título na classe ORC. “Nosso objetivo é bater o nosso próprio tempo na Refeno. Estamos confiantes que teremos mais uma boa velejada até aquele paraíso”, comentou Samuel Albrecht, comandante do Camiranga.
Além do Camiranga, as embarcações Lexus/Miragem (SP), Itajaí (SC) e Jahú (PE) despontam como favoritas.
GRUPOS DE PARTIDA
Com o objetivo de agrupar os barcos de acordo com suas características e desempenho, a organização da Refeno separou a partida das embarcações por grupos. Os prováveis Fita Azul largarão no último grupo, às 13h. Confira os horários das largadas por classes:
GRUPO 1 (12h)
LEXUS/MANTRA
AVATAR
BOLERO II
PANDA II
LEOA
ITAJAÍ SAILING TEAM
TALISMANN
LABADEE
LAVIENROSE 1
PANGEIA TRAVESSIAS OCEÂNICAS
TORO
CORA MAE
PARATII 2
ALLEGRO XIII
WISDOM
GRUPO 2 (12h30)
RECREIO X
PRIX
TEMPO
CURIMAM
WANDA DUQUE
DIBOA
TANTOMAR
AYA
CAUDILLO
KANKU DAI V
AUDAZ
FRATELLI
FUGA IV
KARPALEO
TA LENTO
FISKER
GRUPO 3 (13h)
CAMIRANGA
SANTA MARIA X
ANGELIQUE II
TANGAROA 1
DENISE III
ANGELA STAR VI
LAVIE
BOTO IV
AVENTUREIRO 3
YAKARE
DADU
MARUJOS
LEXUS/MIRAGEM
VORAI 2
JAHÚ 2
ALOHA XIII
CIRANDA
A TRAVESSIA
AVOADOR ²
PAPANGU
Após todas as partidas 
NAVIO VELEIRO CISNE BRANCO
PERNAMBUCO
Pernambuco será representado por dez embarcações. A grande favorita é a embarcação Jahú, comandada por Luis Moriel. As demais embarcações pernambucanas são: Avatar, Bolero II, Aventureiro III, Ciranda, Lavienrose 1, Yakare, Papangu, Toro e Avoador 2.
ITENS DE SEGURANÇA
Com o objetivo de tornar a Refeno ainda mais segura, o Cabanga Iate Clube de Pernambuco e a Marinha do Brasil vem ano a ano anunciando alterações quanto aos item de segurança. Este ano, a única flexibilização será o aparelho SSB, que passará a ser um item obrigatório para todas as embarcações a partir da edição 2017 da Refeno.
EXIGÊNCIAS
Spot
Epirb
Colete Classe 1
Capitão Amador
Balsa
Cartas Náuticas
ACOMPANHAMENTO EM TEMPO REAL
O amante da vela que quiser acompanhar a Refeno em tempo real poderá acessar o link no site da regata (clique aqui). A transmissão pode ser feita de um modo geral (visualizando todos os barcos), por classe (visualizando os barcos que competem em determinada categoria) ou individual. É importante lembrar que o recurso de transmissão já se encontra no site, mas só estará funcionando a partir da largada, que será ao meio dia deste sábado (24).
PREVISÃO DO TEMPO
Segundo a previsão metrológica, na hora da partida, os ventos estarão entre 10 e 16 nós. Outra informação importante para os velejadores é que direção predominante do vento durante a travessia deverá ser a leste/sudeste, ideal para esse tipo de regata.
AÇÃO SOCIAL
Além de atrair, todos os anos, competidores do Brasil e de várias partes do mundo, a Regata Recife Fernando de Noronha carrega um lado social muito forte. Há alguns anos, o Cabanga Iate Clube de Pernambuco, juntamente com a equipe de vela de Itajaí, disponibilizam para as crianças do Centro de Integração de Educação Infantil Bem-Me-Quer, do Arquipélago de Fernando de Noronha, cerca de 300 kits escolares. O clube também contribui mensalmente com uma quantia para ajudar na compra de materiais didáticos para as crianças do local.
Este ano não será diferente. Além de beneficiar as crianças da ilha, Cabanga e Itajaí realizarão a entrega de 300 kits escolares para crianças atendidas na Creche Escola Bartolomeu Aroucha (Ceba), localizada no bairro de Jardim Atlântico, em Olinda/PE. A Ceba é uma instituição filantrópica sem fins lucrativos. A ação em Fernando de Noronha será realizada na terça-feira (27), às 11h. A data da entrega na instituição de Olinda ainda será confirmada.
RESULTADOS ANTERIORES

Equipe de Claus Biekarck vence o Brasileiro de Lighting

14355564_184976095246118_3027916431357776216_n

Entre os dias 16 e 18 de setembro o Iate Clube de Guaratuba, no Paraná, sediou o Brasileiro de Lightining. 14 tripulações participaram da competição, que teve seis regatas disputadas. Com quatro primeiros lugares e um segundo, o trio Claudio Biecarck, Gunnar Ficker e Marcelo Silva conquistou mais uma vez o título. Tommy Sumner, Felipe Brito e Larissa Juk ficaram em segundo, enquanto a família Marc, Mario e Telma Buckup ficou em terceiro. O resultado completo você vê aqui.

Gaúchos são vice-campeões mundiais de Soling

14292457_10154049444129895_2537845545976660663_n

O Mundial da classe Soling encerrou neste sábado em Kingston com a equipe Equilibrium do Veleiros do Sul formada Nelson Ilha, Manfredo Flöricke e Gustavo Ilha em segundo lugar. O título ficou com os velejadores locais, os canadenses William Abbott, Joanne Abbott e Scott McNeill. Esse foi o melhor resultado alcançado pelo comandante Nelson Ilha na sua décima participação em Mundiais da classe Soling.

A outra equipe brasileira presente no Canadá composta pelos irmãos Henrique, Fernando e Pedro Horn Ilha do Rio Grande Yacht Club, terminaram em 12º lugar na geral. A organização conseguiu terminar o campeonato com a disputa de nove regatas conforme o programa, depois de um dia sem vento. Veja a súmula final.

O Mundial de Soling foi realizado no Kingston Yacht Club no Canadá com a participação de 24 equipes de cinco países.

Dobradinha Grael no pódio do Brasileiro de Star

IMG_0995.JPG

Enquanto a baía de Guanabara estava fechada por conta das Paralimpíadas, os velejadores de Star correram para a sede do ICRJ de Cabo Frio para a disputa do Campeonato Brasileiro. Foram seis regatas entre os dias 15 e 18, com um descarte, e a dupla Torben Grael e Arthur Lopes nem precisou correr a última ao somar quatro vitórias e um segundo lugar. Lars Grael e Samuel Gonçalves ficaram com a segunda colocação, seguidos por Marcelo Bellotti e Maurício Bueno. O resultado completo pode ser visto aqui.

CIR e ICS sediam a última etapa do Paulista de Oceano

Nos dias 1 e 8 de outubro o Clube Internacional de Regatas em parceria com o Iate Clube de Santos vai sediar em Santos a última etapa do Campeonato Paulista de Oceano. Estão programadas até três regatas, incluindo a tradicional Volta a Ilha dos Arvoredos, no dia 8 com largada às 12h. Estão convidadas as classes ORC e BRA-RGS A, B, C e Silver.

Assim como era no passado, quando a vela oceânica paulista tinha etapas o ano todo, o Campeonato Paulista de 2016 tentou levar os velejadores para as três principais cidades da vela paulista. O primeiro evento válido foi o Ubatuba Sailing Festival, em Ubatuba, o segundo foi a 3ª etapa da Copa Suzuki, em Ilhabela, e agora estes dois dias de regatas em Santos. A premiação da etapa e do campeonato será feita no ICS no domingo, 9. Confira o resultado acumulado aqui e o AR qui.

C’est la vie é o hexacampeão do 25º Circuito Conesul

IMG_3352.JPG

Os jovens comandantes foram os destaques neste ano nas classes medidas da competição. Henrique Dias, 28 anos, do barco C’est la vie, do Veleiros do Sul, venceu na ORC Internacional e agora ostenta o título de hexacampeão do Circuito Conesul de Vela de Oceano (2004, 2011, 2012, 2014, 2015 e 2016). Ele chegou em primeiro em três regatas e duas em segundo. E a vitória foi mais significativa ainda por ter ganho o 45º Troféu Seival e se tornado pentacampeão da regata longa de 68.5 milhas de distância.

Há 12 anos quando Henrique estreou com o barco C’est la vie no Circuito Conesul não imaginava de uma trajetória tão bem-sucedida. Apesar de jovem já começa a fazer história na classe Oceano gaúcha. Comemorou a sua sexta vitória e apontou alguns fatores do seu bom desempenho, assinalando a sua tripulação composta por Vilnei Goldmeier, Marília Bassoa, Alexis Knebel, Frederico Sidou e Isaak Radin.

– Estava muito motivado para disputar o Circuito, e para isso fiz algumas mudanças no barco, ajustes para facilitar as manobras. Não ficaram como eu desejava, porque foi uma corrida contra o tempo, mas sem dúvida melhorou, tanto que andamos mais próximos de barcos que antes eram mais velozes do que o meu. Dedico o título ao meu pai que faleceu esse ano e foi meu grande incentivador, ele meu deu o C’est la vie – um Fast 30 pés – quando eu tinha apenas 15 anos. Isso não é comum de se ver. Na segunda colocação ficou o San Chico, de Francisco Freitas, do Clube dos Jangadeiros.

Na classe Bra RGS o título também ficou com um jovem comandante, Lucas Mazim de 23 anos, do Clube dos Jangadeiros, que estreou no leme do Abaquar no Circuito. Ele também foi o vencedor da Regata Farroupilha, de percurso longo da classe, na distância de 50 milhas. Acostumado mais a velejar nas classes Laser e Snipe, Lucas gostou muito da motivação da tripulação.

– Foi muito bacana ver todos empenhados em fazer o melhor a bordo. A integração da gurizada. Nós procuramos deixar o barco bem ajustado para as regatas, a experiência do Paulo Ribeiro e do Rene Garrafielo, foi importante neste trabalho. Este é meu primeiro título no Circuito Conesul e estou muito satisfeito com o resultado. No Abaquar também fizeram parte da tripulação Júlio Borela, Guilherme Suarez, Iam Paim, Luiz Eduardo Solkonik e Fábio Ribas. Em segundo lugar na BRA –RGS ficou o barco Taz de Augusto Moreira, do Veleiros do Sul. E na classe Microtoner 19 o campeão do Circuito Conesul foi o Batucada, de José Eduardo Araújo (SAVA) e em vice o 14 Bis, de Humberto Blattner (SAVA). Confira aqui aqui os resultados finais.

O 25º Circuito Conesul terminou neste feriado de terça-feira (20), comemoração da Revolução Farroupilha, com apenas uma regata barlasota, devido a entrada do vento quase no fim tarde. A competição teve a organização do Veleiros do Sul e apoio Delta Yachts e Equinautic contou com a participação de 25 barcos dos clubes de Porto Alegre: Veleiros do Sul, Clube dos Jangadeiros, Iate Clube Guaíba e SAVA e do Iate Clube Saldanha da Gama, Pelotas.

Itajaí Sailing Team confirma presença na Refeno 2016 a bordo do veleiro Moleque

9

O time do Itajaí Sailing Team  –  time de vela que representa a cidade em competições oficiais – confirmou a participação na 28ª edição da Regata Internacional Recife Fernando de Noronha (Refeno) 2106,  no dia 24 de setembro, a bordo do veleiro Moleque, tendo no comando o velejador catarinense Marcelo Gusmão. Até o momento, mais de 40 barcos já confirmaram presença na competição e dois deles são internacionais: a embarcação argentina Wisdon, do comandante Carlos Blanco Fernández, e o barco norte-americano Cora Mãe, do comandante Santiago Triñanes Schaffnee. Em 2010, o Moleque venceu a competição na categoria RGS B.

Além da prova, os velejadores  do Itajai Sailing Team farão uma ação educativa no Recife e Fernando de Noronha . A partida da Refeno terá início ao meio-dia do dia 24 de setembro, no Marco Zero do Recife, em Pernambuco, e a travessia deve durar entre 32 e 38 horas. Esta é a segunda vez que a equipe participa da competição, que está em sua 28ª edição. A diferença é que para esta competição foi montado um time especial.

Criada há 28 anos, a Refeno é considerada a primeira regata oceânica do Brasil. A edição deste ano terá partida no dia 24 de setembro, em frente ao Marco Zero do Recife. São 300 milhas náuticas entre a partida e a chegada, o que equivale a 545 quilômetros. O Itajaí Sailing Team tem o patrocínio da APM Terminals Itajaí, Multilog, JBS, Brasfrigo ,e Poly Terminais, e apoio da Anasol,  Molim e Clindex.

 

C’est la vie VI é pentacampeão do Troféu Seival. Abaquar vence a Regata Farroupilha

IMG_2854.JPG

O barco C’est la vie VI, comandado por Henrique Dias, do Veleiros do Sul, foi o vencedor do 46º Troféu Seival, com 68.7 milhas de distância, destinado para os barcos das classes ORC Internacional. Ele se tornou pentacampeão (2005, 2010, 2012, 2014 e 2016) da mais tradicional regata da classe oceano gaúcha com percurso pelo Guaíba e Lagoa dos Patos e igualou o número de vitórias do barco Inca 2000, de Alfredo Becht. C’est la vie VI fez a regata no tempo real de 16h28min53s.Em segundo lugar ficou o barco Hobart, de Airton Schneider, Clube dos Jangadeiros, com a diferença de 25min12s no tempo corrigido para o primeiro colocado.

Para a tripulação do C’est la vie VI, a regata teve um mau início, mas ao longo da prova foi superando as dificuldades.

“Foi bem sofrido no começo, fomos muito perto da costa na altura do canal do Cristal e entramos numa zona sem vento, fomos ficando para trás da flotilha. Conseguimos andar bem com o ventinho sul e já na Ponta Grossa fomos recuperando posições, demos um bordo certo em Itapuã e pegamos o “caminho do vento” com as rondadas sendo favoráveis para nossa posição na regata. O Troféu Seival é a regata preferida e estamos orgulhosos dessa conquista”, disse o comandante Henrique, 28 anos.

No ano passado Henrique foi pentacampeão do Circuito Conesul, mas não havia conseguido a quinta vitória no Seival. Dessa vez a vitória teve um significado ainda maior para ele.

“Dediquei esta conquista para meu pai que faleceu neste ano. Ele sempre me perguntava se eu havia ganho a regata do “quadro”, referindo-se ao quadro troféu onde vão as placas dos vencedores do Seival, por isso foi importante para mim e minha família.

Na classe Bico de Proa do Troféu Seival, o campeão foi o barco San Chico, de Francisco Freitas (CDJ) que foi o fita azul ao cruzar a linha de chegada às 02h36min15s da madrugada de domingo e ganhou o Troféu Xodó.

Na 27ª Regata Farroupilha para barcos da BRA – RGS, com percurso de 50 milhas de distância, a vitória foi do Abaquar, de Lucas Mazim (CDJ) com o tempo corrigido de 11h43min19s e em segundo ficou o Taz, de Augusto Moreira (VDS) com 12h00min23s. O primeiro a cruzar a linha foi o Vento e Alma, de Cláudio Mika (CDJ) as 00h53min27s. Na classe Microtoner o vencedor foi o Batucada, de José Eduardo Araújo (SAVA). No 19º Velejaço Farroupilha o campeão geral foi o barco Marina, de Ivan Carvalho (CDJ) que chegou às 19h15min07s. Veja todos os resultados e acumulado do Circuito

O 25º Circuito Conesul termina no feriado de terça-feira (20), comemoração da Revolução Farroupilha, com a disputa das duas últimas regatas de barlasota a partir das 13 horas. A competição conta com a participação de 25 barcos dos clubes de Porto Alegre: Veleiros do Sul, Clube dos Jangadeiros, Iate Clube Guaíba e SAVA e do Iate Clube Saldanha da Gama, Pelotas.

Austrália ganha dois ouros na última competição de vela paralímpica da história

14352423_10154679514875757_798547913459244970_o

Terminou neste sábado na Marina da Glória a competição de vela paralímpica.  Das três medalhas de ouro que estavam em disputa a Austrália venceu duas com Daniel Fitzgibbon e Liesl Tesch na Skud 18 e Colin Harrison, Russell Boaden e Jonathan Harris na Sonar, e ainda levou mais uma prata para casa com Matthew Bugg na 2.4. O título ficou com o francês Damien Seguin. O Brasil encerrou sua participação em 16º na 2.4 com Nuno Santa Rosa, 8º no Skud com Bruno Landgraf e Marinalva Almeida, e 11º na Sonar com Marcão, Jamaica e Herivelton.

Apenas uma regata foi disputada neste sábado para cada classe, na raia do Pão de Açúcar, bem próximo aos mais de mil expectadores que compareceram na marina da Glória para acompanhar de perto a última disputa da vela em Paralimpíadas.

Para ver os resultados completos, clique aqui.

Paralimpíadas: Austrália garante dois ouros por antecipação na Skud 18 e na Sonar

14324689_10154678738035757_7370268334293282879_o

A vela nas Paralimpíadas do Rio 2016 chegam ao fim neste sábado porém os australianos Daniel Fitzgibbon e Liesl Tesch já nem precisam mais competir. A dupla conquistou a medalha de ouro na classe Skud pela segunda vez com duas regatas de antecipação e termina o dia com 31 pontos de vantagem sobre John McRoberts e Jackie Gay, do Canadá, segundos colocados. Colin Harrison, Russell Boaden e Jonathan Harris, também da Austrália, na classe Sonar, estão na mesma situação. O trio abriu 24 pontos sobre os americanos Alphonsus Doerr, Hugh Freund e Bradley Kendell, segundos colocados, e já garantiu o lugar mais alto no pódio. O país ainda pode ganhar mais um ouro na classe 2.4 com Matthew Bugg, primeiro colocado, com quatro pontos de vantagem.

O Brasil não tem mais chance de medalha, mas estará na água nas três classes neste sábado a partir das 12h. Quem quiser assistir de perto as competições e as cerimônias de medalha, pode garantir o ingresso clicando aqui.

Para ver o resultado completo após 10 regatas, clique aqui.